26

Não nasci poeta! Não.
Não nasci, também, Drummond;
Vim despido para o mundo.

Minas deu valente alferes.
Antes, foi comum mineiro;
Foi, depois, herói – luzeiro!

Cada verso a mim me vem
Qual semente – a tal cultivo –
Donde surge, pois, o fruto.

Ari Donato | Salvador / 2021

Na ilustração, “O barco da saudade”, óleo sobre tela de Silene Fernandes.

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s