Serenidade

Quando olho seus olhos
Vejo o crepúsculo
Da minha tranquilidade.
– A sua serenidade.

O que, então, precisa,
Para conforto ao martírio,
A minha fragilidade?
– A sua serenidade.

Da candura de seu olhar
Escorre o bálsamo de cura,
De combate à debilidade.
– A sua serenidade.

[Ari Donato | Salvador / 2010]

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s